Arquivo do mês: julho 2012

Avião – o mal necessário

Meus sentimentos em relação a avião sempre foram um paradoxo. Se por um lado não tem nada mais gostoso que estar sentando na sua poltroninha, com uma manta quentinha, comendo aquela comida industrialmente deliciosa (não é ironia, eu adoro!), a menor trepidação pode fazer até os mais adeptos da adrenalina suarem frio.

Confesso que sempre tenho um pé atrás pra viajar de avião. Não sou do tipo que precisa encher a cara e ir desmaiada ou que tenha ataques de pânico de arrancar os cabelos. Simplesmente me sinto à mercê das circunstâncias, do vento, do possível erro de alguém ou do azar mesmo. E aposto que não sou a única pessoa que se sente assim.

Em maior ou menor escala, ninguém se sente totalmente seguro dentro de um avião. Mas grande, eu diria até a maior, parte da insegurança vem de dentro das nossas cabeças. Acidentes aéreos são extremamente raros. Proporcionalmente, muito menores que os rodoviários. É claro que quando estamos voando, não pensamos em estatísticas. Pensamos apenas que estamos vulneráveis e é isso que nos assusta: a falta de controle total da situação.

Por isso, encaro avião com um mal necessário. Primeiramente porque é inviável por questões de tempo e de dinheiro, viajar a um lugar muito distante por outros meios de transporte como carro, ônibus ou navio (a não ser que você seja um milionário que não tem mais onde torrar o tempo e dinheiro, o que realmente não é meu caso). Segundo, porque depois que você entra no clima, é até possível esquecer o medo (pelo menos até o momento de uma possível turbulência). O segredo é não dar asas à imaginação.

De qualquer modo, meu voo Rio-Amsterdam foi relativamente tranquilo. Está certo que houve uns bons 30 minutos de turbulência após o avião passar o nordeste do Brasil em direção ao mar (depois, já em terra, ficaria sabendo que foi nessa área de instabilidade é que ocorreu o acidente com o voo da Air France há alguns anos atrás). Tentei dormir, mas em vão. Dificilmente durmo em avião. Quase tomei um banho de Heineken do meu irmão, isso seria o fim. E aparentemente a aeromoça quis se vingar por mim pois por pouco quase derrubou uma bandeja cheia de coisas nele. Mas tudo que interessa é o melhor momento quando o avião põe as rodinhas no chão. É tão gostoso. Cheguei. Todo mundo aplaudiu. E eu também. Viva Amsterdam.

Categorias: Aventuras | Deixe um comentário

Rumo ao Oriente – partida

O primeiro dia de uma viagem longa é sempre uma mistura de sentimentos: ansiedade, entusiasmo, alegria e aquela pitada de preocupação se tudo vai correr como o planejado. Principalmente se o assunto é avião.

Para vôos nacionais, o ideal é chegar pelo menos 2 horas antes, principalmente nas épocas de férias (em baixa temporada, pelo menos 1:30 antes), para que o check-in e despache das malas corra com tranquilidade e sem stress. Vá com a cabeça livre e consciente de que há grande chance de haver filas. Tendo isso em mente, às 10:00 já estava no aeroporto de Guarulhos pois às 12:00 meu voo partiria com destino ao Rio de Janeiro.

Cheguei então ao aeroporto do Galeão. Meu voo para Amsterdam (sim, minha ida ao Oriente exige várias escalas) só decolaria às 19:55, então, um impasse surgiu: o que fazer durante praticamente 7 horas? Ficar no aeroporto? Mas será que não vou morrer de tédio? Sair para passear na cidade? Mas e o tempo para fazer check-in? A primeira opção pesou mais forte, já que, aparentemente tinha tempo de sobra. Antes de ir, fiz o self-check in na máquina da KLM (o que é bem interessante de se fazer o quanto antes, para marcar o assento do avião) e despachei a mala principal. Já a mala de bordo, deixa-a em um guarda-volumes do Galeão, uma boa opção para quem quer ficar despreocupado com roubos durante o passeio à cidade.

Eram aproximadamente 16:00 horas quando saí do aeroporto. Às 19:10 era o horário do meu embarque, porém foi altamente recomendado pela companhia aérea chegar mais cedo, devido à fila da emigração, onde os passaportes são checados e etc. Bom, aqui um ponto: pegar um táxi do Galeão para as proximidades do centro do Rio pode tomar um bom dinheiro. Conforme ia no sentido contra-fluxo, um detalhe foi lembrado: a hora do rush estava prestes a começar. Comi apressadamente no Subway do shopping e logo já voltei ao aeroporto. 1 hora de trânsito.

Em cima da hora, fui para a fila (e que fila!) dos portões de embarque e em uma hora e pouco já estaria embarcando no avião. 12 horas de voo. Challenge Accepted.

 

 

Categorias: Aventuras, Oriente Médio | Deixe um comentário

Aventuras em breve!

O primeiro post de um blog é sempre uma dúvida cruel: uma vontade de escrever sobre tantas coisas, principalmente sobre algo que (quase) todo mundo adora: viajar. Posso começar de um jeito mais amigável e logo me apresentar, então vamos lá: meu nome é Larissa, sou estudante de Audiovisual (se você não tem certeza do que isso significa, não se preocupe! Afinal, Google existe para isso), sou fotógrafa há 3 anos e amante da arte de me meter pelos cantos do mundo. Do bate-e-volta à praia mais próxima até o lugar onde não se é possível pronunciar um singelo “oi”  sem dar um nó na língua.

O que vale é aventura, a emoção, o espírito livre e a ansiedade a mil. Sim, a curiosidade de descobrir um lugar novo ou mesmo a expectativa de voltar a um velho lugar (já que duas viagens nunca são iguais) é que me motiva e me rouba as noites de sono. Tipo agora.

Daqui 3 dias estarei embarcando para um lugar de cultura totalmente chocante da que convivo. E não falo um pingo da língua. Lá vou eu para: Egito, Israel, Turquia e Grécia. Oriente Médio e seus arredores: sem dúvida, uma região do mundo com um caldo cultural muito intenso.

Oriente Médio e arredores

“Nossa, mas lá não é perigoso?” – é a reação de grande parte das pessoas quando conto pra onde será minha próxima aventura. Confesso que, de fato, as notícias que circulam a respeito da região assustam, pelo menos um pouquinho, até o mais corajoso. Afinal, qual a primeira coisa que você lembra quando ouve falar em Oriente Médio? Pois é. Guerras, atentados, radicalismo. Não posso negar que não existam, mas não numa frequência tão alta que impossibilite uma chance de se aventurar por lá (com exceção da Síria, infelizmente). Mais pra frente falarei um pouco de cada um desses países nos quais em breve estarei pisando e contar um pouquinho do porque terem sido escolhidos.

Categorias: Aventuras, Egito, Grécia, Israel, Oriente Médio, Turquia | Tags: , , , , , , , | Deixe um comentário

Blog no WordPress.com.